O melhor agregado para sua obra

Normas Técnicas

Parâmetros de Agregados para Concreto

De acordo com a norma ABNT 7211:2009, agregado para concreto deve ser composto por grãos de minerais duros, compactos, duráveis, estáveis, limpos e que não interfiram no endurecimento e hidratação do cimento e também na proteção contra corrosão da armadura.

Os principais parâmetros para os agregados são:

Distribuição Granulométrica - ABNT 7211:2009

Material

Faixa Granulométria (mm)

Agregado Miúdo

Pó de Pedra ou Areia Artificial

150µm a 4,75 (ótimo)

150µm a 6,3 (utilizável)

Agregado Graúdo

Pedrisco Limpo (pedra 0)

4,75 a 12,5

Pedrisco Misto

150µm a 12,5

Pedra 1

9,5 a 25

Pedra 2

19 a 31,5

Brita Graduada

150µm a 25

Brita Corrida

150µm a 45

Pedra 3

25 a 50

Pedra 4

37,5 a 75

Rachãzinho

50 a 75

Rachão Gabião

75 a 125

Rachão

125 a 450

 

Forma dos grãos (ABNT NBR 7809):

Índice de forma dos grãos do agregado deve ser sempre inferior a 3.

Desgaste (ABNT NBR NM 51):

Índice de desgaste por abrasão "Los Angeles" deve ser inferior a 50% em massa

Reação álcali-agregado:

Reação Álcali-agregado

Material

Cloretos(CI) % abaixo de:

Sulfatos(SO4) % abaixo de:

Concreto Simples

0,2

0,1

Concreto Armado

0,1

0,1

Concreto Protendido

0,01

0,1

A NBR 15577-1/08 no item 5.3 determina que se a porcentagem de expansão (de uma amostra de medidas estabelecidas pela Norma) após 28 dias em solução agressiva for inferior a 0,19, o agregado é potencialmente inócuo e se for igual ou superior é potencialmente reativo.

 

Substâncias nocivas (% máxima relativa à massa do agregado):

 

Limites máximos aceitáveis de Substâncias Nocivas no Agregado com relação com a Massa do Material

Determinação Método de Ensaio

Método de Ensaio

Quantidade máxima relativa à massa do agregado %

Agregado Miúdo

Torrões de Argila e materiais friáveis

 

3,0

Material Pulverolento (abaixo de 75µm)

ABTN NBR 46

Concreto COM desgaste superficial

3,0

Concreto SEM desgaste superficial

1,0

Agregado Graúdo

Torrões de Argila e materiais friáveis

ABTN NBR 7218

Concreto Aparente

1,0

Concreto Sujeito a desgaste superficial

2,0

Outros Concretos

3,0

Materiais Carbonosos (independente do tipo de agregado)

ASTM C 123

Concreto Aparente

0,5

Concreto Não Aparente

1,0

Material Pulverolento (abaixo de 75µm)

ABTN NBR 46

 

1,0

Impurezas orgânicas: ensaio de comparação de coloração de solução e diferença máxima aceitável entre os resultados de resistiencia de compressão comparativos de 10%

 

Outros ensaios (não existe padrão para estes ensaios, porém é fundamental conhecê-los, para se saber o peso do concreto, dosagem de cimento, quantidade de água e de aditivo, etc.)

Agregado miúdo: massa específica, massa unitária, absorção de água, inchamento, teor de partículas leves, umidade superficial

Agregado graúdo:

 

Massas Específicas Médias dos materiais:

Massas Médias dos Materiais

Material

Massa Média (t/m3)

Pó de Pedra

1,5

Pedrisco limpo

1,4

Pedrisco Misto

1,6

Pedra 1

1,4

Pedra 2

1,4

Brita Graduada

1,7

Brita Corrida

1,7

Pedra 3

1,4

Pedra 4

1,4

Rachãozinho

1,5

Rachão Gabião

1,5

Rachão

1,5

 

O ensaio de massa específica para agregados miúdos (pó de pedra) consiste em colocar 200 ml de água até uma linha marcada no frasco de Chapman. Em seguida pesa-se e coloca-se uma quantidade do material (massa sólida) dentro do frasco (o material deve ser previamente secado em uma estufa em até 100 °C). Faz-se a leitura final (LF) do volume total (sólidos +líquidos) e calcula-se a massa específica utilizando a fórmula:

massa1

O ensaio para agregados graúdos é feito em um recipiente maior que possui um "ladrão". Enche-se este tubo com água até o topo, em seguida abre-se o ladrão até que o nível da água estabilize-se (acontecerá na altura do ladrão), fecha-se e coloca-se dentro do recipiente a quantidade de amostra (massa sólida), que foi previamente seca e pesada, abre-se o ladrão, coletando-se, em uma proveta, toda a água que sair por ele, obtendo-se o volume (LF).

massa2




Notícias

Na luta pela preservação ambiental
Em 2010, a unidade de Duque de Caxias foi certificada por participar do Dia C, data em que o estado do Rio de Janeiro...

A Polimix Agregados chega a São Luis - MA
Em 2012, entrou em funcionamento uma nova unidade da Polimix Agregados, em São Luis, no estado do Maranhão

iso 260000

intranet

Desenvolvido por Spinola Comunicação Integrada